Chia | Amiga do Coração que Elimina as Gordurinhas Indesejadas

Chia: a semente amiga do coração que elimina as gordurinhas indesejadas e ainda fortalece a imunidade.

By Willian Reis

Praticidade é o que mais se busca atualmente. Com a correria do dia a dia as pessoas têm cada vez menos tempo para se dedicar a processos complexos e extensos, por isso, a maioria abre mão de uma alimentação mais elaborada e opta por um cardápio mais fácil e rápido, não é à toa que as redes de fast food fazem tanto sucesso. O grande problema é que dessa forma uma alimentação balanceada, com os nutrientes necessários para manter o corpo saudável e funcionando corretamente, também acaba ficando de lado. Porém, o que muitos ainda não sabem é que é possível unir praticidade e saúde graças à ingredientes naturais que podem fazer toda a diferença na mesa, como é o caso da chia, uma semente que vem ganhando espaço no cardápio de quem é adepto a hábitos saudáveis e busca melhorar a qualidade vida.

O que faz da chia um superalimento?

Repleta de benefícios, a semente da planta Salvia Hispanica, uma espécie nativa da região da Guatemala, no México, já foi usada para sustentar grandes guerreiros durante suas longas viagens. De acordo com a lenda, eles acreditavam que o alimento poderia conferir mais força e resistência, sustentando-os por até um dia inteiro. E eles não estavam errados: o poder da chia já é comprovado cientificamente e o melhor de tudo é que seu consumo não poderia ser mais rápido e prático, se encaixando perfeitamente às mais diversas rotinas e agregando mais saúde para quem a consome.

Alto valor nutricional

Segundo o nutricionista Willian Reis, a chia é considerada um superalimento porque contém ácidos graxos poli-insaturados essenciais, fibras, proteínas completas e muitos outros nutrientes fundamentais para nosso organismo: “Ela é um dos poucos vegetais a oferecer um valor nutricional tão alto. A semente é rica em antioxidantes, ômega 3, vitaminas, minerais como magnésio e potássio, ou seja, consumi-la significa ingerir uma variedade de nutrientes que trazem benefícios que vão desde regular as taxas do colesterol ruim até fortalecer o sistema imunológico”.

Segundo a profissional da Nature Center, na composição da chia encontramos três vezes mais fósforo do que no espinafre e também o dobro do magnésio do que está presente em castanhas e nozes. A semente ainda é uma das mais ricas fontes, já conhecidas, de ômega 3, superando, até mesmo, a linhaça e o salmão, que são referências nesse quesito. Guerreiro também ressalta que quem necessita de cálcio também pode recorrer ao consumo da semente, já que ela possui uma concentração do mineral cinco vezes maior do que a encontrada no leite de vaca: “É uma ótima opção para os intolerantes a lactose, que podem adicioná-la à dieta para complementar o aporte do nutriente”. Além disso, a especialista acrescenta que a chia também é uma fonte completa de proteínas, capaz de fornecer todos os aminoácidos essenciais que precisamos.

“E ainda precisamos falar das fibras alimentares, pois a alta concentração delas coloca a chia entre os melhores alimentos funcionais aliados do emagrecimento e da boa digestão. Além, é claro, dos antioxidantes. A semente conta com componentes poderosos como o flavonoide kaempferol e os ácidos cafeico e clorogênico, que neutralizam a ação dos radicais livres em excesso, impedindo a oxidação das células saudáveis e ainda evitam o envelhecimento precoce” – explica a especialista.

Conheça os principais benefícios da semente

A nutricionista afirma que o consumo regular de chia pode ser benéfico à saúde em diversos aspectos, entre eles, os principais são:

Controle da diabetes: devido ao elevado teor de fibras, a chia é capaz de aumentar o tempo de liberação da glicose na corrente sanguínea, fazendo com que o hormônio da insulina, necessário para transportá-la até as células, também seja liberado em pequenas doses, o que evita o aumento rápido da glicemia, por isso está relacionada à prevenção do diabetes tipo 2;

Reduz o risco de doenças cardiovasculares: patologias como infarto, derrame e hipertensão podem ser prevenidas graças ao consumo regular de chia, isso porque, a semente possui grandes quantidades de ômega 3, capaz de reduzir a inflamação no sistema cardiovascular e aumentar a fluidez sanguínea, evitando o desenvolvimento dessas e outras doenças como a pressão alta. Além disso, esse ácido graxo também reduz a formação de coágulos sanguíneos e arritmias;

Regula o colesterol: cerca de 77% da gordura presente na semente é formado por ácidos graxos de ômega 3 e ômega 6 e uma de suas principais funções dessas gorduras é reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o colesterol bom (HDL), e esse efeito ainda é potencializado graças as suas fibras, que atuam na diminuição da concentração dos lipídios no sangue;

Fortalece o sistema imunológico: A chia é capaz de reforçar nossas defesas, prevenindo contra doenças como gripes, resfriados e processos infecciosos, graças aos minerais presentes em sua composição, como o selênio e zinco, que auxiliam o sistema imunológico;

Melhora a saúde intestinal: As fibras encontradas na chia melhoram a digestão e o transito intestinal, elas são capazes de aumentar os movimentos intestinais, evitando a prisão de ventre, por exemplo, mas é importante lembrar que, quando se aumenta o consumo de fibras, o aporte de água deve ser dobrado também, para que não ocorra um efeito contrário;

Aliada da beleza: em sua composição nutricional, a chia apresenta vitamina A, um nutriente que além de atuar como antioxidante, também contribui para a saúde da pele, reduzindo acnes e prevenindo o ressecamento. A vitamina B2, encontrada na semente, também é muito importante na saúde da pele, unhas e cabelos. Além disso, estudos recentes já relacionam o efeito do ômega 3 – abundante na chia – ao combate à celulite, que nada mais é do que um processo inflamatório do organismo.

A capacidade de potencializar o emagrecimento

A chia já foi descoberta há centenas de anos atrás e seus benefícios para a saúde são conhecidos desde então, mas sua fama notória só foi conquistada recentemente, graças à sua atuação sobre a dieta, pois a semente é uma poderosa aliada da perda de peso e boa forma. Embora ela seja considerada calórica, a nutricionista afirma que, no processo de emagrecimento, quem dita as regras é o valor nutricional: “Caloria não é tudo, especialmente no caso da chia, pois ela é um ingrediente que não é composto por calorias vazias, pelo contrário, a semente é muito rica do ponto de vista nutricional. Ela ainda tem um efeito mucilaginoso, que é capaz de absorver e reter uma grande quantidade de água, formando um gel que ocupa um bom espaço no estômago e a digestão torna-se mais lenta, o que intensifica a sensação de saciedade e deixa o indivíduo satisfeito por mais tempo”.

Como consumir de forma correta

A semente de chia pode ser encontrada na forma de grão, farinha ou óleo, mas a versão mais difundida e comercializada é a primeira. Elas podem ser ingeridas hidratadas ou in natura, pois, o corpo humano pode digeri-las facilmente, ao contrário das sementes de linhaça, que precisam ser moídas. O uso da chia é muito versátil, devido ao seu sabor sutil, quase imperceptível, que não altera o gosto dos demais alimentos, por isso ela pode ser facilmente ingerida pura ou adicionada no iogurte, cereais, sucos, bolos, saladas e temperos. Outras receitas que podem incluir a semente de chia facilmente são pudins, pães, tortas, mousses, cremes, patês, risotos, farofa, saladas de frutas, sucos e vitaminas.

Sementes de chia têm longa validade e podem ser estocadas por anos. Se utilizadas em grãos, pode incrementar várias receitas e ter diversos usos na cozinha, podendo agir até como emulsificante, pois deixa os líquidos com consistência de gel e dá “liga” à massas. Sua versão moída serve, inclusive, para engrossar caldos. Para usar a chia com o propósito de reduzir o apetite basta colocar 1 colher de sopa das sementes em meia xícara de água (cerca de 250ml) e esperar pelo menos 20 minutos para que ela hidrate, após isso é só consumir antes das principais refeições.

O consumo recomendado é cerca de quatro colheres de sopa cheias por dia, isso já é suficiente para aproveitar os enormes benefícios. Vale lembrar que cada colher de sopa possui aproximadamente 75 calorias, portanto, não é necessário ultrapassar essa quantidade. Não existe registro de nenhuma contraindicação para o consumo, no entanto, vale lembrar que gestantes, nutrizes ou pessoas com a chamada “síndrome do intestino irritável”, devem ficar atentas com o consumo de sementes em geral e procurar sempre a opinião de um especialista.

Fonte: Nature Center

naturecenter

Efeito Reverso | Quais os Riscos de Consumir Suplementos sem Praticar Exercícios?

By Willian Reis

Atualmente o uso de suplementos nutricionais vem sendo amplamente discutido, tanto por profissionais da saúde, quanto por estudiosos do gênero. O tema é pauta de pesquisas e debates que, muitas vezes, podem gerar conclusões controversas, no entanto, o mercado desses produtos cresce cada vez mais no Brasil e no mundo. Um estudo realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad) em parceria com a Associação Brasileira das Empresas do Setor Fitoterápico, Suplemento Alimentar e de Promoção da Saúde (Abifisa) e a Associação Brasileira das Empresas de Produtos Nutricionais (Abenutri), revela que os alimentos enquadrados em suplementos alimentares fazem parte do cotidiano de mais de 54% dos brasileiros.

O número está entre os maiores do mundo e já se aproxima dos Estados Unidos, um dos maiores mercados do planeta, onde 68% da população faz uso destes produtos na rotina diária. Eles são muito procurados por aqueles que querem perder peso ou ganhar massa magra, mas seu poder vai mais além, pois eles também são utilizados para complementar os nutrientes que as pessoas, nem sempre, conseguem absorver através da alimentação, ou ainda, suprir a carência nutricional de organismos deficientes. Prova disso é que, de acordo com o estudo, o uso de suplementos varia conforme a faixa etária. Entre os consumidores mais jovens, por exemplo, o uso de suplementos voltados para a prática de esportes e exercícios físicos é maior, já entre os idosos os suplementos vitamínicos são mais frequentes.

Complemento nutricional em dietas deficientes

A má alimentação, devido à correria do dia a dia, e a preocupação com a saúde são umas das razões que levam ao consumo dos suplementos alimentares. Grande parte desses produtos é encontrada em forma de comprimidos, cápsulas e sachês, e os mais consumidos atualmente são o ômega 3, Multivitamínicos, Vitamina C e Cálcio. Segundo o nutricionista Willian Reis, o uso de suplemento dissociado dos exercícios físicos é indicado quando há alguma carência de nutrientes no paciente.

“Os suplementos devem ser encarados como alimentos e não como princípio ativo, ou seja, um medicamento, pois sua proposta é de oferecer uma adequação nutricional. Vale lembrar que eles não substituem uma refeição balanceada, nem servem como compensação de um cardápio desequilibrado. A finalidade desses produtos é complementar a alimentação e, ao contrário de um medicamento, não tem objetivo de cura, eles auxiliam apenas no tratamento e manutenção da saúde” – explica o profissional da Nature Center.

Suplementos proteicos são os mais requisitados

Apesar de muitas pessoas recorrerem aos suplementos por questões de saúde, a maioria do seu público consumidor é composta por aqueles que querem modificar a composição corporal, seja para a perda de peso e medidas ou para fortalecer e aumentar a musculatura. Existe hoje no mercado diversos tipos de suplementos, mas, em muitos casos, eles possuem uma fórmula semelhante. Entre os mais comuns, usados pela maioria dos adeptos à academia e musculação, estão o famoso Whey Protein e o BCAA, que são formados basicamente por proteínas, mas possuem um baixo teor de gorduras, para diminuir suas calorias.

No entanto, Reis alerta que esses produtos são indicados para quem pratica alguma atividade voltada para o ganho de massa magra, pois, esses suplementos aumentam a quantidade de proteínas no organismo, que se associam às fibras musculares, porém, é a atividade física quem promove a construção dos músculos: “Não adianta muito tomá-los sem fazer exercícios. Além disso, ainda é possível que gere o efeito contrário, ou seja, o aumento excessivo de peso, porque o corpo está ingerindo uma quantidade maior de energia, mas não está queimando o suficiente”.

O especialista afirma que suplementos proteicos dão resultados se utilizados de forma correta, como é o caso do Whey Protein, que ganhou fama devido à sua composição e praticidade. “Ele contém todos os 9 aminoácidos essenciais, aqueles que o corpo não é capaz de produzir sozinho, por isso é considerado uma proteína completa. Alguns alimentos, como quinoa, carne, ovos e derivados do leite também são proteínas completas. No entanto, é importante ressaltar que qualquer tipo de macro nutriente, seja gorduras, proteínas ou carboidratos, se consumidos em excesso, levarão ao ganho de peso, por isso a pratica de exercícios é fundamental” – acrescenta Ribeiro.

É preciso definir os objetivos

Outro ponto importante, antes de iniciar uma complementação alimentar, segundo o especialista, é ter um objetivo específico, pois, dificilmente, o produto que potencializa o ganho de massa muscular terá o mesmo efeito na redução de medidas e vice-versa. Ribeiro explica que eles agem de maneiras diferentes, enquanto um complementa o aporte de proteínas para a regeneração e crescimento dos músculos, outros promovem a aceleração do metabolismo e a queima de gorduras. Dependendo do caso, um pode inibir o efeito do outro, ou, até mesmo, atrapalhar os resultados, por isso, é preciso verificar o que se adequa mais ao treino e necessidades de cada um.

Termogênicos são uma boa opção, mas cuidado

Eles são os queridinhos de quem quer dar adeus as gordurinhas. Capazes de acelerar o processo de emagrecimento, eles estimulam o metabolismo a trabalhar constantemente em um ritmo maior, dessa forma o corpo gasta mais energia na digestão e utiliza suas reservas de gordura como fonte. Ribeiro afirma que os termogênicos também surtem um bom efeito naqueles que não praticam nenhuma atividade, no entanto, seu efeito é maior se aliado a uma alimentação e um treino adequados.

“O chá verde é um excelente termogênico, mas possui um sabor forte e amargo, por isso já é comercializado em capsulas. Outro bom exemplo é o chá de hibisco, que possui um sabor agradável e não precisa adoçar. Mas também temos outros alimentos que são muito potentes, como a pimenta vermelha, canele e gengibre, por exemplo” – explica Ribeiro. “No entanto, aquelas pessoas que já estão no peso ideal e visam ganhar massa magra devem evitar um grande consumo de alimentos com essas propriedades e focar naqueles que ofereçam proteínas e gorduras boas para alcançar seus objetivos”.

Energéticos naturais auxiliam os iniciantes

Para ambos os grupos, tanto o que quer emagrecer, quanto o que busca definição, vale apostar em suplementos que aumentem a energia. Mesmo aqueles que não praticam atividades físicas podem se beneficiar com esses produtos, mas o especialista alerta que é sempre preferível o uso dos naturais. Aqueles que contém cafeína são uma boa pedida, a alta concentração do nutriente faz com o que o metabolismo fique constantemente acelerado, favorecendo as dietas de emagrecimento e auxiliando no rendimento das atividades do dia a dia.

Mas, como sempre, os melhores resultados são obtidos em conjunto com exercícios físicos, pois a substância é capaz de melhorar o desempenho físico, reduzindo a percepção de esforço ao praticar um exercício, dessa forma a atividade parece mais fácil do que realmente é. A cafeína também poupa os estoques de glicogênio muscular, por isso, seu consumo, contribui para acelerar a queima de gordura.

O cardápio ainda é fundamental

O nutricionista explica, portanto, que os maiores benefícios dos suplementos nutricionais são decorrentes da interação com a prática de exercícios físicos e uma alimentação balanceada. É claro que uma pessoa pode conseguir todo o aporte nutricional que precisa apenas por meio da dieta, no entanto, como esses produtos são administrados estrategicamente, eles conseguem potencializar os resultados. “Para isso, aqueles que desejam iniciar essa complementação devem verificar os nutrientes que constituem cada um para identificar o que mais se adéqua aos hábitos dela, e ainda quais são as doses diárias que devem ser consumidas, para evitar os efeitos colaterais do excesso de proteínas no corpo, por exemplo”.

O nutricionista ainda explica que, se os suplementos forem consumidos indiscriminadamente, podem gerar um mau funcionamento nas atividades dos rins e do coração. Outros efeitos colaterais indesejados são o suor excessivo, insônia, dor e cansaço e batimento cardíaco acima do normal. “É preciso lembrar que a forma mais segura de consumir esses produtos é através da orientação de um médico ou um nutricionista, pois, ao mesmo tempo em que eles podem ajudar, esses suplementos também podem fazer mal à saúde, se tomados da maneira incorreta. Só um especialista poderá indicar o mais indicado e as doses necessárias para cada pessoa” – finaliza Ribeiro.

Fonte: Nature Center

naturecenter

Cortar o Consumo de Alimentos com Lectina é a Dieta da Vez | Entenda os Riscos para a Saúde

Depois de abolir o glúten, carboidratos e a lactose, restringir a ingestão dessa proteína é a nova moda.

O termo lectina se refere a uma classe de proteínas de origem não-imunológica, que podem aglutinar hemácias graças à sua propriedade de se ligar reversivelmente a carboidratos.

Certamente você já ouviu falar de dietas famosas que proíbem terminantemente certos alimentos em prol da saúde ou da boa forma como, por exemplo, as dietas sem glúten, sem carboidratos e sem lactose. Devido todo burburinho que esses métodos geralmente provocam, é comum que muitas pessoas se sintam influenciadas a mudar totalmente sua alimentação, acreditando que estão sendo de fato prejudicadas pelo cardápio convencional. Nessa mesma linha, a dieta da vez é a “dieta sem lectina” – uma proteína potencialmente prejudicial ao organismo e que está presente em inúmeros alimentos que consumimos diariamente.

Nada de grãos

A premissa é simples: excluir do cardápio grãos, cereais, leguminosas, além de certos tipos de legumes e sementes. Porém, convenhamos: imaginar uma refeição sem qualquer um desses itens é bem difícil, não é mesmo? Então, por que essa nova dieta está ganhando fama? De acordo com seus adeptos, a simples exclusão de alimentos como o feijão, a lentilha, a ervilha e até mesmo a berinjela seria capaz de acabar com o inchaço, ajudar no controle da dieta e inibir processos inflamatórios no corpo. Isso porque tais ingredientes possuem alta concentração da famigerada lectina, substância que, na natureza, serve parar defender a planta de agressões externas, porém, quando ingerida pelos seres humanos, causa diversos malefícios.

Na prática, seus seguidores podem consumir apenas frutas da estação, vegetais folhosos de coloração verde escura e alimentos ricos em gorduras boas, de origem vegetal, como por exemplo, o óleo de coco e o abacate. Até mesmo certos tipos de proteínas (carnes e laticínios) são proibidos com a justificativa de que nosso organismo não está suficientemente adaptado para digeri-los de forma eficaz. Muitos dos conceitos da dieta podem, inclusive, coincidir com o que outros cardápios restritivos preconizam, como a dieta paleolítica e a dieta do tipo sanguíneo. Saiba mais:

Consumo atrapalha o hormônio da saciedade

Uma coisa é fato: a tal substância não é bem tolerada no organismo, pois as enzimas presentes no trato gastrointestinal não conseguem digeri-la totalmente, provocando desconfortos como excesso de gases, dores na região do abdômen e “estufamento”. Segundo o nutricionista William Reis, a ingestão de lectina pode, até mesmo, aumentar o apetite de pessoas mais sensíveis à substância. “Basicamente, essa proteína é conhecida como um anti-nutriente, capaz de irritar as paredes do trato intestinal e impedir a absorção de outros elementos essenciais para o organismo. O intestino pode, inclusive, ter seu poder de filtragem de toxinas prejudicado, propiciando reações alérgicas, inflamações, disfunções metabólicas e, até mesmo, maior resistência ao hormônio leptina, um regulador do apetite, essencial para a sensação de saciedade”.

Por si só, tal argumento já parece suficiente para sair excluindo tais itens da dieta, porém, conforme explica o consultor da Nature Center, é preciso ponderar – as lectinas só desenvolvem esse tipo de reação no organismo se os grãos e cereais (onde estão em maior quantidade) forem consumidos in natura. “O consumo de lectinas é praticamente inevitável, pois elas estão presentes direta e indiretamente em grande parte dos alimentos que consumimos, mas é importante ressaltar que nós não costumamos ingerir leguminosas e grãos totalmente crus, pois, mesmo no preparo de saladas, esses alimentos são imersos em água antes de serem levados ao prato. Só o ato de colocá-los de molho por um tempo, já diminui bruscamente os efeitos da proteína no organismo”.

Prós x Contras da Dieta

Vantagens

  • Maior consumo de fibras e vitaminas: Por ser uma dieta que restringe o consumo de grãos, leguminosas e todos os tipos de cereais, a ingestão de frutas e verduras deve ser elevada para compensar a falta desses itens. Assim, quando bem orientada, essa prática fornece um aporte maior de antioxidantes, minerais, fibras e vitaminas presentes nos alimentos;
  • Controle do peso: Produtos com açúcar também são evitados durante a dieta, o que garante menor pico de produção do hormônio insulina no sangue e evita acúmulo de gordura. Consequentemente, esse menor consumo de açúcar também ajuda o indivíduo a controlar o peso;
  • Mais saciedade: Não só pelo alto consumo de fibras, mas pela redução do consumo de carboidratos de alto índice glicêmico e melhora da sensibilidade ao hormônio da saciedade;

Desvantagens

  • Poucos carboidratos: A baixa diversidade de carboidratos permitidos na dieta pode fazer com que falte energia para o organismo e haja uma diminuição da massa muscular. Por isso, é importante sempre diversificar o cardápio e buscar o equilíbrio dos alimentos ingeridos, para minimizar carências nutricionais;
  • Pouca variedade: A ingestão de alimentos como o arroz, a batata, pães e raízes, por exemplo, fazem parte da rotina alimentar do brasileiro e estão presentes em boa parte das receitas tradicionais. Por isso, pode ser difícil, num primeiro momento, evitar o consumo desses itens e se adaptar ao novo cardápio;
  • Maior risco nutricional: Por restringir o consumo de diversos alimentos, indivíduos que seguem essa dieta devem redobrar os cuidados em relação às carências nutricionais. Mesmo com uma dieta bem orientada, em alguns casos é preciso, até mesmo, seguir uma suplementação multivitamínica (sob orientação médica), para compensar o aporte insuficiente de nutrientes.

Sem arroz e feijão?

Já pensou na sua alimentação diária sem arroz e feijão? Pois essa é uma das “normas” da controversa dieta, que além de restringir o consumo desses alimentos tão tradicionais na mesa do brasileiro, também bane a ingestão de açúcar, trigo, laticínios, tomate, berinjela, melão, batata, pimentão e sementes em geral Porém, será que essas mudanças realmente valem a pena?

Embora muitas pessoas acreditem que a famosa dupla “arroz e feijão” deva ser excluída do cardápio sempre que se busca emagrecer, a verdade é que esses grãos têm um papel primordial no metabolismo. “Por conta do seu alto teor de fibras, a ingestão desse prato pode ajudar a regular o transito intestinal, auxiliando na dieta. Os benefícios são ainda maiores se os cereais forem integrais, pois também haverá um controle maior da glicemia”. – explica Reis

Além disso, por se complementarem nutricionalmente, são tidos como uma refeição ideal quando o assunto é nutrição. “O arroz, um cereal, é rico no aminoácido metiona, fibras e vitaminas do complexo B. Já o feijão, uma leguminosa, também possui em sua composição os mesmos elementos, além de minerais como o cobre, magnésio, zinco, fósforo, cálcio e possuir em grande quantidade o aminoácido lisina. Basicamente, o que um não tem em elevada porcentagem o outro tem, por isso, muitas pessoas associam o prato a um “casamento perfeito.” – explica Reis. Por essa razão, um dos principais alertas em relação à dieta sem lectinas é seu maior risco para uma deficiência nutricional, em virtude da exclusão severa de alimentos altamente nutritivos como o trivial arroz e feijão.

Funciona como alternativa para emagrecer?

Ainda que algumas pessoas se interessem por esse tipo de regime devido aos seus efeitos na balança, o especialista da Nature Center alerta que dietas restritivas podem dar uma falsa sensação de emagrecimento “A exclusão dos carboidratos não causa apenas a queda brusca de energia como também a perda de tecido muscular e não especificamente de gordura, como é a intenção de muitos. Reduzir massa magra é pouco saudável, pois, sem ela o metabolismo diminui e o corpo passa a gastar cada vez menos calorias para se manter ativo. Por isso, é preciso cautela antes de seguir dietas da moda. Existem meios muito mais eficazes e seguros para atingir esse objetivo.” Para o profissional, regimes que delimitam a ingestão energética podem ajudar na perda rápida de peso como muitas pessoas desejam, mas essa não é a forma correta de alcançar esses objetivos, principalmente, quando o paciente deseja evitar o efeito sanfona.

Medidas para reduzir as lectinas

Ainda assim, é possível alcançar os benefícios da dieta sem ter que adotar um cardápio tão restritivo. Para tal, o profissional aponta algumas técnicas simples que podem surtir efeitos positivos na eliminação da substância. Basicamente, esses métodos eliminam quase que por completo a ação da proteína e podem ajudar a diminuir os incômodos. Fique por dentro:

  • Imersão: Recomenda-se deixar as leguminosas “de molho”, ou seja, colocá-las em uma bacia com água da noite para o dia a fim de diminuir a concentração de lectina e, ao mesmo tempo, ajudar na higienização do alimento. Na maioria das vezes os anti-nutrientes se encontram na casca dos alimentos e são solúveis em água. Portanto, quando submetidos ao “banho”, por no máximo 12 horas, os elementos se desprendem dos demais nutrientes e podem ser descartados juntamente com a água;
  • Cozimento: Ferver grãos, cereais e algumas leguminosas também pode ser uma boa opção no processo de eliminação das lectinas. Isso porque o calor elevado degrada os anti-nutrientes, inibindo sua ação no organismo.

O nutricionista William Reis ressalta apenas que é importante sempre se atentar às técnicas que serão utilizadas para que os alimentos não percam também, seu valor nutricional “Métodos como o cozimento são eficazes na eliminação de substâncias indesejáveis, porém, vitaminas e minerais essências ao organismo também se desprendem durante esse processo. Por isso, é importante adotar técnicas menos agressivas como, por exemplo, o cozimento a vapor ou no próprio microondas, que preservam mais a integridade dos nutrientes e também ajudam eliminar as lectinas”.

Cardápio equilibrado é sempre a melhor saída

Por fim, o especialista alerta que é preciso desconfiar de cardápios que excluem quase que completamente grupos de alimentos. “Diferente de métodos que incentivam a diminuição do consumo de alimentos industrializados que, de fato, não favorecem a saúde, esse tipo de dieta exclui alimentos amplamente conhecidos por seu alto valor nutricional; ou seja, tiram do prato vitaminas, minerais e vários outros nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. O mais recomendado é que, diante de qualquer suspeita de intolerância a um determinado alimento, sempre se busque orientação médica. Dessa forma, é possível investigar a verdadeira causa de um possível desconforto sem correr o risco de desenvolver problemas ainda mais graves no futuro em virtude uma carência nutricional.”– finaliza o especialista.

naturecenter

Dieta Crossfit | Alimentação Forte é a Chave para Esculpir o Corpo

Nessa época do ano as academias começam a encher, afinal muitas pessoas aproveitam para dar início ao projeto verão e eliminar as gordurinhas acumuladas nas estações mais frias. Porém, atualmente, o que está em alta não é a tradicional combinação de musculação e exercícios aeróbicos praticados com o auxílio de aparelhos funcionais e modernos, e sim um método alternativo, que vem ganhando o coração não só daqueles que visam perder peso, mas também de quem deseja aumentar a massa magra e definir a musculatura, ou ainda, quem busca uma qualidade de vida maior.

O método de treinamento militar, que virou febre nas academias de todo o Brasil e ganhou adeptos entre as celebridades nacionais, continua conquistando cada vez mais pessoas que estão em busca não só de emagrecimento e definição, mas também saúde e bem-estar. O programa, conhecido como crossfit, já era utilizado, há muito tempo, por academias de polícia, unidades militares, equipes de operações táticas e atletas profissionais do mundo todo. A modalidade mescla exercícios de alta intensidade com atividades intercaladas, combinando força e condicionamento. Mas, além de um grande esforço físico, esse esporte também estimula uma nova rotina de hábitos saudáveis para seus praticantes, que vai desde a mudança de pequenos costumes do dia a dia, até uma intensa reeducação alimentar.

Atividade demanda grande carga física

A modalidade de exercícios é a que mais cresce no mundo nos últimos tempos e já é tendência nas academias de musculação. O método é baseado em movimentos funcionais de alta intensidade, que são variados constantemente e, normalmente, envolvem levantamento de peso, ginástica olímpica e condicionamento metabólico, ou cardio. As atividades, geralmente, são muito dinâmicas e, por isso, o treino caiu no gosto daqueles que querem fugir da monotonia dos outros exercícios.

Estima-se uma perda média de 500 calorias em um treino com duração de uma hora e os praticantes afirmam: é cansativo, mas dá resultado. Porém, como toda rotina esportiva, para alcançar o objetivo desejado, é preciso aliar uma alimentação proporcional ao ritmo de exercícios. Devido ao seu alto nível de desgaste físico, é necessário adotar uma dieta que supra suas demandas funcionais, através de uma nutrição equilibrada, que deve estar diretamente associada à capacidade e ao interesse de praticante.

O segredo está no equilíbrio

O nutricionista Willian Reis explica que a dieta dos praticantes do crossfit ou, popularmente, dieta crossfit, consiste em um plano alimentar que melhora a resistência e favorece os músculos. Segundo o consultor da Nature Center, para ter sucesso na atividade os atletas precisam de uma alimentação adequada e completa, capaz de fortalecer o corpo, evitar lesões e promover uma recuperação rápida e eficaz: “Por ser um esporte que exige alta performance, a prática tem um gasto calórico elevado e isso faz com que a pessoa necessite de uma dieta adaptada, justamente para prevenir a perda de massa magra e potencializar a queima de gorduras”.

Além disso, o especialista alerta que qualquer exercício de grande intensidade exige a presença de nutrientes específicos no organismo para evitar complicações como hipoglicemia e tontura, especialmente no caso do crossfit, em que exige uma carga física redobrada: “O praticante precisa estar adequadamente nutrido para aguentar a intensidade das séries. Para isso é recomendável um consumo maior de vitaminas e minerais, principalmente os antioxidantes e anti-inflamatórios, pois essas substâncias combatem os radicais livres que são produzidos em maior quantidade durante o exercício, e ainda ajudam a reduzir o risco de lesões articulares e a dor muscular que pode ocorrer após o treino”.

O que não pode faltar no prato

A dieta ideal para acompanhar a rotina intensa dos adeptos a esse esporte deve conter todos os grupos alimentares, é extremamente importante incluir no cardápio uma variação de proteínas de carnes magras ou de origem vegetal, gorduras de fontes saudáveis – como o óleo de coco, sementes de linhaça, chia e oleaginosas: amêndoas, nozes e castanhas – além, é claro, dos carboidratos complexos, vitaminas e minerais. Geralmente o consumo das proteínas é aumentado, mas, para isso é aconselhável a orientação de um nutricionista, pois há um limite máximo para a ingestão diária.

O esporte também pode gerar uma acidose metabólica, portanto, os alimentos alcalinos são altamente recomendados, podendo ser administrados antes dos exercícios ou entre cada sessão: “Além de ajudar na cura e prevenção de diversas patologias, esses alimentos alcalinos ainda diminuem a acidez do sangue e mantém o equilíbrio do organismo. Podemos destacar entre eles o limão, ameixas, abacaxi e tangerina” – explica o nutricionista.

Conceito pré-histórico

Esse plano alimentar é muito próximo ao utilizado na dieta paleolítica. Ambos têm como objetivo principal impedir o acúmulo de gordura corporal e favorecer a massa magra através de uma dieta na qual a ingestão de carnes, ovos, tubérculos, frutas e vegetais é privilegiada. O método paleolítico é conhecido basicamente como “a dieta das cavernas”, isso porque a ideia é comer praticamente o que os homens pré-históricos comiam, pois acredita-se que o organismo humano não evoluiu ao ponto de se ajustar ao consumo de alimentos processados e industrializados, como açúcar refinado, derivados do leite e grãos. O argumento usado pelos especialistas é de que os alimentos geneticamente transformados e altamente processados contêm substâncias nocivas, como lectinas, fitatos e glúten capazes de danificar o sistema digestivo, causar inflamações e intolerâncias. Algumas delas ainda são responsáveis por problemas de saúde como baixa imunidade, inflamações, dores musculares, infertilidade, refluxo, dermatites, gastrites e, até mesmo, a falta de força e energia.

Alimentos energizantes potencializam os resultados

Um treino de crossfit eficiente exige muita energia, por isso, os adeptos do esporte precisam seguir uma dieta especial, que forneça os nutrientes certos para suportar a demanda e, ao mesmo tempo, promover a recuperação muscular no pós-treino. Dessa forma o corpo ganha um estímulo para a definir a musculatura, o que facilita a perda de gordura corporal por um período prolongado, pois, durante a regeneração, o organismo continua acelerado e queimando uma quantidade maior de lipídios.

A energia extra, fornecida através da alimentação, é fundamental também para o rendimento do treino, por isso os carboidratos fazem parte dessa rotina alimentar, no entanto, são permitidos apenas os de baixo e médio índice glicêmico, como batata-doce, inhame, brócolis, berinjela e maçã. No entanto, o nutricionista ressalta que o consumo desses ingredientes deve ser aliado de outros grupos alimentares, como proteínas e gorduras boas, para amenizar o impacto no organismo. “Isso se repete em quase todas as refeições, mas a quantidade ideal depende da intensidade e duração do treino, da composição corporal e das características biológicas e particulares de cada indivíduo, por isso, é fundamental procurar o auxílio de um profissional capacitado antes de adotar medidas radicais por conta própria” – explica Ribeiro.

Além dos carboidratos, outros alimentos funcionais também podem potencializar os resultados do treino, garantindo mais energia e disposição, sem agregar calorias ao plano alimentar. Entre as alternativas, as bebidas termogênicas são destacadas pelo especialista como uma das melhores opções: “O chá verde pode ser um ótimo aliado, por exemplo. Além de ser termogênico, que aumenta o ritmo de trabalho organismo e, consequentemente, o gasto calórico, a bebida ainda contém uma boa concentração de cafeína, que acelera as funções metabólicas do corpo e garante a utilização das reservas de gordura como fonte de energia, aumentando a força e disposição, sem efeitos colaterais” – acrescenta Ribeiro.

É preciso suplementar?

De acordo com o especialista, boa parte dos adeptos desse esporte costuma recorrer a suplementações para dar suporte ao organismo e aumentar a performance durante o treino: “Os mais procurados são aqueles que oferecem um maior aporte de proteínas ou que contém substâncias energéticas e naturais como a cafeína, para aumentar o rendimento. Mas, dependendo do caso, algumas pessoas necessitam de uma reposição de vitaminas e minerais, ou, até mesmo, de algum outro nutriente anti-inflamatório ou antioxidante, portanto, novamente: o acompanhamento de um nutricionista é fundamental”.

Como organizar a rotina alimentar

O especialista recomenda o consumo de carboidratos complexos acompanhando por proteínas magras cerca de 1 a 2 horas antes do treino. Durante as séries de crossfit, caso a atividade se estenda por mais de 1 hora, é preciso ingerir carboidratos líquidos e de fácil digestão. Logo depois do treino o ideal é comer alimentos ricos em proteína e carboidratos novamente, podendo adicionar gorduras boas ao prato. Frutas vermelhas ou outras, como maçã, damasco e cereja podem ser combinadas com sucos como de limão ou laranja podem ser uma boa pedida antes da prática. Após o exercício, vitaminas e shakes com mix de frutas, combinados com uma fonte de proteínas também garantem uma boa escolha. O consumo de proteína é indicado em todas as refeições, mas os carboidratos são restritos às horas próximas (antes e depois) dos exercícios. “A hidratação não pode ser deixada de lado e é aconselhável tanto durante a atividade, quanto ao longo do dia, para reduzir a retenção de líquidos e eliminar as impurezas do organismo” – finaliza Ribeiro.

Fonte: Nature Center

nature center

naturecenter

Cacau | Novo Queridinho das Dietas Nessa Estação!

Conheça os benefícios que o consumo regular do fruto pode trazer para a sua saúde e boa forma

No inverno, devido às baixas temperaturas, muitas vezes acompanhadas por aquela chuvinha constante que diminui ainda mais a sensação térmica, os programas ao ar livre ou fora de casa ficam comprometidos. As pessoas migram de lugares abertos para ambientes fechados e aconchegantes que proporcionam maior conforto e abrigo do frio. Consequentemente os cardápios também sofrem alterações, dando lugar a pratos quentes e mais encorpados, que aumentam a sensação de bem-estar. Entre eles estão os derivados de cacau, que figuram no topo da lista dos alimentos que são a cara da estação, afinal quem resiste a um belo fondue de frutas ou um chocolate quente bem cremoso?

O fato é que essas delícias típicas podem colocar em risco a boa forma, por isso muitos tentam evitá-las. No entanto, o que boa parte das pessoas ainda não sabe é que é possível saborear esses quitutes de maneira saudável e sem prejudicar a dieta, especialmente quando se trata do cacau, que dá origem ao tão amado chocolate. Especialistas afirmam que o consumo do alimento, da forma correta, não só pode trazer diversos benefícios para nossa saúde como ainda é capaz de potencializar a dieta e enxugar a silhueta. O cacau, além de ser uma delícia, é considerado um dos alimentos funcionais mais poderosos.

As vantagens vão além da sensação de bem-estar

Segundo a nutricionista Luciana Guerreiro, o fruto é rico em nutrientes que têm seus benefícios comprovados cientificamente:“Ele possui polifenóis e flavonoides, o primeiro elemento atua na redução da pressão arterial e também age para melhorar a saúde do coração, e o segundo trata-se de antioxidantes potentes, com ação extremamente hidratante, que age protegendo o organismo do excesso dos radicais livres – moléculas que, em grande quantidade, danificam vários tecidos corporais – e ainda previnem o envelhecimento precoce” – explica a profissional da Nature Center.

De acordo com Guerreiro, além desses benefícios, os grãos contêm vitaminas, minerais e ainda possuem propriedades anti-inflamatórias e anti-alergênicas. “A polpa tem vitaminas A, B1, B2, e vitamina C, além de fibras e minerais como o magnésio, cobre, cromo, manganês, zinco ferro, fósforo e cálcio”. O cacau carrega a fama de ser um grande aliado no combate ao mau humor e a maior vantagem atribuída ao fruto é a sensação de bem-estar gerada graças ao estímulo à produção de serotonina, mas a especialista afirma que seu efeito benéfico se estende muito além disso, confira os principais:

Melhora o bom-humor: O fruto contém um aminoácido chamado triptofano que é responsável pela produção de serotonina, neurotransmissor ligado ao bem-estar, e ainda é fonte de dopamina, que auxilia em uma maior sensação do prazer;

Excelente para mulheres: o triptofano também ajuda na saúde feminina prevenindo corrimentos, auxiliando no aumento da lubrificação íntima e combatendo os sintomas da TPM;

Melhora a saúde da pele: algumas substâncias como o retinol, ácido ascórbico e vitaminas do complexo B estão presentes no cacau, por isso o alimento é utilizado em máscaras que promovem a hidratação e oxigenação da pele. A nutricionista explica que: “O ácido ascórbico auxilia na eliminação das células mortas e suaviza as linhas finas por meio da esfoliação e os antioxidantes ajudam a retardar o processo de envelhecimento da pele”;

Amigo do coração: por ser fonte de magnésio, o cacau é capaz de diminuiras chances de coágulos sanguíneos se formarem o que, consequentemente, reduzos riscos de ataques cardíacos e derrames;

Fortalece a imunidade: o alimento estimula a produção de um tipo de glóbulos brancos: os linfócitos, que agem no sistema imunológico humano, defendendo o organismo contra vírus e bactérias;

Aliado do cérebro: os flavonoides também auxiliam na prevenção de patologias como a demência, poisa síndrome está relacionada a um fluxo menor de sangue ao cérebro, e o fito nutriente trabalha justamente aumentando a circulação sanguínea e de oxigênio nessa área. “A dopamina presente no cacau também atua no controle do movimento e memória, já a feniletilamina age no sistema nervoso central, por isso ele é associado à um melhor desempenho cognitivo” – afirma a nutricionista.

Cacau e Boa Forma

O cacau ajuda o corpo a metabolizar o açúcar e reduzir a resistência à insulina, por isso, ele é considerado um aliado na luta contra a diabetes. Seus polifenóis contribuem para o aumento da sensibilidade ao hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue. O fruto também ajuda a regular a flora intestinal, pois flavonoides presentes em sua composição servem como alimento para as bactérias probióticas, que beneficiam o funcionamento do intestino. Além disso, estudos apontam que o consumo de derivados do cacau antes e depois dos exercícios físicos pode aliviar o desgaste muscular e as dores, contribuindo também no processo de regeneração muscular e ainda melhora a oxigenação nessa área durante o treino, aumentando a performance, por ser um potente vasodilatador.

Consagrado pelo Chocolate

O cacau é a principal matéria-prima de um dos doces mais amados no Brasil e no mundo. É difícil encontrar quem não aprecie o quitute, no entanto, para aproveitar os seus benefícios, o chocolate deve apresentar uma boa concentração do fruto, além disso, para conservar o efeito dos seus nutrientes é preciso ficar atento aos outros componentes da fórmula. De acordo com a lei para ser comercializado como chocolate o alimento deve conter no mínimo 25% de cacau em sua composição, mas isso não o qualifica entre os melhores para a saúde e dieta, pois, os 75% restantes geralmente são compostos por leite integral, açúcar, aditivos, gordura hidrogenada e outras substancias químicas.

A nutricionista explica que o ideal é optar por versões com um percentual de cacau maior, pois, quanto mais elevada for a quantidade do fruto maior será o potencial nutritivo do alimento. “Não adianta consumir um chocolate rico em açúcar, ele vai gerar um pico de açúcar no sangue e logo, do hormônio Insulina, gerando mais fome, compulsão e a temida gordurinha abdominal”, diz a nutricionista Luciana Guerreiro. Outra dica da especialista é evitar o chocolate diet: “Ele é indicado somente para quem tem diabetes por não conter açúcar, mas para quem não possui a doença ele não é uma boa opção, pois contém a química de um adoçante de qualidade ruim e também pode gerar pico de Insulina, somente pelo sabor doce que ele contém. O consumo recomendado para um cardápio saudável deve girar em torno de 30 gramas da guloseima por dia, mas procure sempre os chocolates com percentual de cacau acima de 60% e com xilitol ou stevia, adoçantes mais naturais, quando usados”.

Veja os diferentes tipos e suas características

50%: Indicado para quem quer começar a degustar um chocolate com maior qualidade. Nesse percentual é possível sentir um gosto diferenciado e uma acidez mais intensa;

60%: Essa versão apresenta um traço amargo mais acentuado e maior índice de retrogosto –lembrança do gosto que permanece na boca após o consumo do alimento;

75%: Esta faixa de concentração de cacau apresenta um equilíbrio entre o prazer do sabor e a qualidade do produto. Seu gosto é intenso e marcante.

85%: Nesta versão o sabor intenso e amargo remete ao café preto e sua textura derrete de forma bem lenta na boca. Não contém adição de açúcar.

99%: É um dos mais difíceis de ser encontrado no mercado e possui um sabor salgado, porém é o que apresenta maior concentração de flavonoides.

Outras versões do cacau

Há outros subprodutos do cacau para o consumo, como sua polpa, suco, geleia, destilados finos e sorvete. Ao contrário do que acontece com o chocolate que, além do fruto, são adicionados vários outros ingredientes que o tornam gorduroso e calórico, alguns, como a polpa e o cacau em pó, se mostram uma alternativa mais atraente para quem deseja potencializar a dieta e manter a boa forma, aproveitando ao máximo todos os nutrientes do alimento.

Utilizado nas mais variadas receitas, a versão em pó é livre da adição de açúcar e é altamente recomendada como substituta para os tradicionais achocolatados consumidos com frequência no café da manhã. A especialista ainda afirma que o cacau em pó pode agregar sabor e saúde à diversos preparos: “pode ser polvilhado em cima do iogurte ou de frutas como a banana, por exemplo, sem a necessidade de adoçar, ou usado na preparação de bolos, cookies, panquecas, shakes e vitaminas. Outra opção é preparar o chocolate quente, que é a cara do inverno, com o chocolate em pó em leites vegetais como leite de castanhas, de amêndoas e de coco. Como o sabor dessa versão é mais forte e marcante, não é preciso utilizar muito, a quantidade vai depender da receita e do paladar” – acrescenta a nutricionista.

Fonte:Nature Center

naturecenter